.

.

donderdag 13 februari 2014

Compostagem gramíneas. Como faço isso.


Para podermos cultivar pastagens e ervas adequadamente, usamos o estrume de vacas e ovelhas como iniciador de compostagem. Todo o estrume de um 'comedor de erva e grama' pode servir. O estrume é processado pela primeira vez para poder servir como iniciante.

Hendrik sobre a compostagem de gramíneas:

Fazer o 'líquido de enxerto'

"Para tornar o estrume manejável e fino, ou líquido, coloco-o em um recipiente pequeno e humedeço-o em etapas. Submergir de uma só vez não funciona. O estrume deve ser aspirado com água lentamente. Quando é completamente absorvido, ele se desmorona. Em seguida, ele entra em um segundo recipiente para mantê-lo molhado. Depois de um tempo eu peneiro-o para deixá-lo fino. Faço isso sobre um terceiro recipiente, que eu uso para o iniciador da compostagem final. Chamo isso de 'líquido de enxerto'.

Já existe água no recipiente, e depois você adiciona o chorume. Uma colher de estrume no recipiente com o fluido de enxerto é suficiente a fim de enxertar o material a ser compostado cerca de 4 vezes. Então eu não preciso de muito estrume. Não é tanto sobre o valor da fertilização, mas o uso das bactérias. Neste caso, o valor do N.P.K. no estrume é insignificante. Considero importantes as bactérias que o estrume contém, e também o nível de pH(um pH de cerca de 7). A intenção é que as bactérias tenham a chance de fazer seu trabalho. Elas devem causar calor e conduzir o processo adicional.

Nossa água vem de uma estação de bombeamento. É um pouco ferrosa, o que em si não dá problemas. A água contendo cloro seria um problema maior. Você deve ter cuidado com isso. Porque ele dificulta o desenvolvimento bacteriano. E, claro, a água da chuva também é muito útil."

Mergulhar

O líquido de enxerto entra no barril de imersão, no qual os materiais a serem compostados estão localizados:


Mais tarde, também utilizamos chorume para o líquido de enxerto. Esse chorume é liberado após o processo de imersão e gotejamento. No começo, você ainda não o tem, mas isso não é ruim.

"Gostaria de reutilizar o chorume. Você perde tudo o que joga fora. E o lixiviado é otimamente utilizável no líquido de enxerto. Ao reutilizar toda a humidade do processo, já criei uma estirpe de bactéria doméstica. Enxerto os materiais a serem compostados em um "barril de imersão", ou chamo-o de “barril de enxerto”. É o recipiente onde tudo é imerso antes do início da compostagem real. Após a imersão, deixo o material escorrer. Então mantenho até que conseguir bastante massa para começar a compostagem real".


Fazer pacotes

"O feno colhido é rígido, duro e cheio de espinhas. As plantas têm uma camada de cera para sua proteção. Antes de colocar no barril de imersão, quero machucar bem o feno para atacar a camada de cera. Eu faço pequenos pacotes do feno, pisando-o em um pequeno recipiente e depois quebrando-o o suficiente. Com esses pacotes eu encho o barril do imersão. Mais tarde, também posso extraí-los facilmente quando estão imersos.

Há muito que busco um bom método para dar a essas culturas um bom começo de compostagem. E agora, no que me diz respeito, encontrei o único bom começo da compostagem de gramíneas."


No início, devemos adicionar humidade suficiente (com bactérias) ao processo. Para um início rápido do aquecimento, um teor de humidade aderente de 30% é ótimo, dizem os livros. (Embora não tivéssemos problemas com muito mais humidade no material enxertado). Aqui, portanto, queremos dizer a humidade que foi adicionada, e não a humidade natural da planta. É por isso que secamos primeiro as gramíneas húmidas (e resíduos de cozinha e de jardim também) antes de começar a compostagem. Fazemos isso porque queremos ter humidade com a bactéria certa no material. A humidade da planta é muito limpa para isso, e também estéril. Queremos ver a ação... um começo do aquecimento rápido. E isso é mais bem feito com materiais secos. Estes são mais suscetíveis a influências externas.

Desembalar o barril do imersão:


"Encho o barril de imersão até metade com enxerto. (Assim, metade com esterco de vaca pré-tratado em água e chorume.) Se houver pouco líquido de enxerto, simplesmente encho com água da chuva ou da bomba. Nisto mergulho o feno, pressiono-o firmemente sob o nível da água. E mantenho-o lá com um peso. A pressão ascendente do feno é enorme. Eu preciso do meu peso total para pressioná-lo abaixo do nível da água.
Então fico de pé no barril simplesmente. Isso muitas vezes leva a situações hilariantes. (Quando fiquei tonto, não era mais divertido, e desde então eu tenho colocado uma pá no balde para orientação e apoio ... Você nunca precisa desistir... :) Então eu uso um peso de pelo menos 50 quilos para manter o feno embaixo. Deve permanecer lá por pelo menos 24 horas. Não há necessidade de muito mais tempo; já se encheu com o líquido de enxerto (humidade penetrada)."



Gotejamento

"Quando eu tiro os pacotes de feno do barril de imersão, eles estão embebidos. Muito líquido de enxerto permanece aderido (umidade aderente). O feno ainda precisa escorrer. Isso levará algum tempo. Não posso esperar por isso. Então eu arrumei dois barris de gotejamento para isso. Dois, para ter algum volume. Nisto, coloco o feno enxertado para escorrer. Estes são os meus 'barris de gotejamento'(os dois barris menores da foto). Algumas barras e uma esteira de vime ou bambu no fundo dos barris de gotejamento garantem que o feno possa escorrer. O lixiviado é armazenado sob a esteira. Uso isso novamente para complementar o líquido de enxerto no início do processo. É assim que o círculo é completo."


Guardar

"A fim de obter alguma continuidade do processo, configurei três barris de armazenamento com uma esteira de bambu na parte inferior. Nisto, mantenho o feno enxertado e esvaziado temporariamente. Temporário, porque isso não é final. Ainda não existe qualquer chorume disponível. No tempo quente, aqui ocorre o primeiro aquecimento. Em clima frio com geada noturna, o aquecimento é apenas moderado, ou até ausente. O aquecimento real precisa de mais massa. A boa compostagem requer massa.

Quando tudo está enxertado e derrubado, coletei cerca de 1000 litros de material para compostagem. Porque aqui acabámos com a preparação.

A compostagem real ainda está por seguir. Mas a boa preparação é metade do trabalho, senão o trabalho inteiro, porque as bactérias fazem o resto. Para a compostagem 'real', comprei alguns sacos grandes (big bags). Posso fechá-los bem, embalá-los contra o clima, contra muito calor, também contra o frio e especialmente contra o vento. E... (e isso não é sem importância) um big bag deixa um pouco de ar e humidade. Mas não muito."


Em média, temos composto após três ou quatro meses. Nem sempre, porque às vezes leva mais tempo, dependendo do clima. E o clima é imprevisível. No inverno, também pode congelar aqui. E então se torna uma questão de espera. Portanto, a melhor solução que encontramos por enquanto é um big bag bem embalado. Tem volume suficiente para um metro cúbico de feno enxertado. E se é grosso, é embalado em plástico agrícola, então é suficiente, por enquanto, para fazer o aquecimento acontecer.


No You Tube- Hestel Tellus. Compostagem em três minutos:



Nova tradução do holandês, usando o Google Tradutor, 
com grande ajuda do meu professor Sr. João Ghizoni.
novembro 2017

*

Stella.





1 opmerking: